Gestação de Alto Risco

Acompanhamento pré-natal

Em algumas gestações, são identificadas algumas alterações durante o seguimento pré-natal que podem indicar a necessidade de um acompanhamento mais próximo e frequente. São alterações que podem modificar o desenvolvimento adequado do bebê. Nessas condições, o seguimento pré-natal é chamado de alto risco.

 

 

Os principais exemplos de gestantes que devem realizar o seguimento pré-natal de alto risco são:

  • Gestantes com idade menor do que 17 anos ou maior do que 40 anos: os extremos da idade reprodutiva aumentam a incidência de prematuridade e morbidade gestacional;
  • Grávidas com altura menor do que 1,45 m: maior risco de complicações na hora do parto em decorrência da possível alteração anatômica da bacia;
  • Exposição constante a agentes físico-químicos nocivos: maior risco de mal formações e restrição de crescimento fetal;
  • Dependência de drogas lícitas ou ilícitas: maior risco de desenvolvimento de abstinência do recém-nascido ao nascimento, além do risco de prematuridade e restrição de crescimento fetal;
  • Peso materno inadequado (tanto para obesidade quanto para desnutrição extrema): maior prevalência de prematuridade, deve-se incluir nesse grupo às pacientes pós cirurgia bariátrica;
  • Histórico de abortamento de repetição;
  • Intervalo entre partos menor do que 1 ano e meio: maior incidência de autismo, ruptura uterina, hemorragia intraparto e prematuridade;
  • Doenças hipertensivas da gestação, incluindo a pré-eclâmpsia e eclâmpsia;
  • Diabetes gestacional;
  • Trabalho de parto prematuro;
  • Cardiopatias – doenças do coração;
  • Pneumopatias – doenças pulmonares crônicas;
  • Outras doenças crônicas – doenças da tireóide, Lúpus, Anemias crônicas, entre outras;
  • Neoplasias ginecológicas, pós tratamento das lesões tipo NIC (conização);
  • ISTs (Sífilis, Hepatite, HIV);
  • Desenvolvimento uterino maior ou menor do que o esperado para a idade gestacional;
  • Gestação múltipla, entre outros.